MOSQUITO e ORDEM MORAL lideram nomeações para Prémios Sophia

prémios sophia

MOSQUITO, de João Nuno Pinto, e ORDEM MORAL, de Mário Barroso, duas produções Leopardo Filmes, lideram as nomeações para os Prémios Sophia.


A Academia Portuguesa de Cinema anunciou ontem as nomeações aos Prémios Sophia 2021 e MOSQUITO, de João Nuno Pinto, e ORDEM MORAL, de Mário Barroso, produzidos por Paulo Branco, são os filmes com maior número de nomeações.

 

MOSQUITO lidera com 13 nomeações para a décima edição dos Sophia, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Realização (João Nuno Pinto), Melhor Actor Principal (João Nunes Monteiro) e Melhor Actor Secundário (Filipe Duarte, a título póstumo), às quais junta ainda as nomeações de Melhor Argumento Original (Fernanda Polacow e Gonçalo Waddington), Melhor Fotografia (Adolpho Veloso), Melhor Montagem (Gustavo Giani), Melhor Som (Francisco Veloso, Gita Cerveira, Phillipe Grivel e Tiago Raposinho), Melhor Banda Sonora Original (Justin Melland), Melhor Direcção Artística (Nuno Gabriel Mello “TIGRE DE FOGO”), Melhores Efeitos Especiais / Caracterização (Mário Gaspar, Nuno Esteves “Blue” e Pedro Vercesi), Melhor Guarda-Roupa (Lucha D’Orey) e Melhor Maquilhagem e Cabelos (Nuno Esteves “Blue”).

MOSQUITO, uma ideia original de João Nuno Pinto a partir da história do seu avô, segue o percurso de Zacarias, um jovem soldado português que durante a Primeira Guerra Mundial é enviado para Moçambique, onde o conflito se desenrola longe dos olhares do mundo. Ao ser deixado para trás pelo seu pelotão, parte numa longa odisseia mato adentro. Esta produção da Leopardo Filmes, em co-produção com a Alfama Films Production (França), a APM Produções (Portugal), a Delicatessen Films (Brasil) e a Mapiko Filmes (Moçambique),  foi o filme de abertura do Festival de cinema de Roterdão em 2020, um feito inédito para o cinema português. Foi ainda seleccionado e premiado em vários festivais espalhados pelo mundo. Estreou-se em Portugal em Março de 2020 e em França em Junho, com grandes elogios da crítica e várias semanas em cartaz. Foi adquirido para distribuição no Brasil, entre outros países.

Logo a seguir, com 10 nomeações, outra produção da Leopardo Filmes, ORDEM MORAL, de Mário Barroso: Melhor Filme, Melhor Actriz (Maria de Medeiros), Melhor Argumento Original (Carlos Saboga), Melhor Actor Secundário (Albano Jerónimo), Melhor Fotografia (Mário Barroso), Melhor Som (Pedro Góis e Ricardo Leal), Melhor Banda Sonora Original (Mário Laginha), Melhor Direcção Artística (Paula Szabo), Melhores Efeitos Especiais / Caracterização (Dave Bonneywell e Rita Anjos), Melhor Maquilhagem e Cabelos (Ana Lorena e Natália Bogalho).

Com a actriz Maria de Medeiros no papel de Maria Adelaide Coelho da Cunha, herdeira e proprietária do Diário de Notícias, que em 1918 abandona o luxo social, cultural e familiar em que vive para fugir com um chauffeur, 26 anos mais novo, Ordem Moral estreou-se em sala em Setembro do ano passado em Portugal (com largas semanas em exibição) e França (em mais de 40 salas), com os maiores elogios da crítica nos dois países. Conta também com um grande percurso internacional, com a selecção para vários Festivais em diversas partes do mundo.

Foram ainda divulgados pela Academia Portuguesa de Cinema os pré-seleccionados para os Prémios Platino del Cine Iberoamericano 2021. As duas produções da Leopardo Filmes estreadas em 2020 somam 9 nomeações.

MOSQUITO destaca-se como pré-candidato em 6 categorias: Melhor Filme Ibero-americano, Melhor Actor Principal (João Nunes Monteiro), Melhor Montagem (Gustavo Giani), Melhor Direcção Artística (Nuno Mello), Melhor Fotografia (Adolpho Veloso) e Melhor Som (Gita Cerveira, Francisco Veloso, Matthieu Deniau e Tiago Raposinho).

ORDEM MORAL é pré-candidato nas categorias de Melhor Actriz Principal (Maria de Medeiros), Melhor Actor Secundário (Albano Jerónimo) e Melhor Argumento (Carlos Saboga).

 

Prémios Sophia

Os Prémios Sophia são troféus cinematográficos portugueses, atribuídos anualmente, com o objetivo de reconhecer a melhor produção nacional. A origem do nome Prémios deve-se à poetisa Sophia de Mello Breyner Andresen, bem como por significar “sabedoria”.

A ideia é evocar uma figura maior das artes portuguesas, da mesma forma que em Espanha existe o prémio Goya, atribuído anualmente pela Academia das Artes e Ciências Cinematográficas de Espanha, ou que em França são atribuídos os prémios César ou na Bélgica os prémios Magritte.

A primeira edição dos Sophia teve lugar a 26 de Novembro de 2012 na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, onde foram entregues os três prémios Carreira a António da Cunha Teles, António de Macedo e Isabel Ruth.