O MAAT celebra o seu 5º aniversário com um programa especial gratuito

Para celebrar o seu 5º aniversário, o Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) criou um programa com performances, oficinas e visitas guiadas a exposições, com entrada gratuita, nesta terça (5) de outubro, em Lisboa.

Das 11h às 20h, nos Jardins do MAAT, o Mercado da Comida Independente traz doze produtores com variedades entre ostras, hortícolas, frutas, pasta fresca, cogumelos, pão e muito mais, para se juntar à celebração do quinto aniversário do museu.

O programa especial ocorrerá no novo edifício do MAAT e na Central, entre as 11h00 e as 21h00, e inclui a abertura da nova exposição, Dia, de Carsten Höller, com uma série de obras que produzem luz e escuridão, algumas inéditas, como anunciado pelo museu.

Exposição Dia, de Carsten Höller

Composta por esculturas com lâmpadas, projeções e elementos arquitetónicos, que abrangem um período que vai de 1987, altura em que Höller ainda trabalhava como cientista, até aos dias de hoje.

Mais de vinte peças, muitas delas especialmente recriadas para a exposição, distribuem-se por todo o edifício num percurso organizado que entra em diálogo com o carácter espacial único de curvaturas orgânicas, limites estreitos e volumes de dimensões e luminosidades diferentes.

Despido de qualquer estrutura de suporte, sem recorrer a qualquer sistema de iluminação preexistente, o espaço é apenas iluminado pelas próprias obras conduzindo o público através de experiências multissensoriais de perceção alterada. 

Carsten Höller, “Decimal Clock” (White and Pink), 2018. Cortesia do artista e GALLERIA CONTINUA. Fotografia por: Jonathan Leijonhufvud

Espetáculos performance

Nos espetáculos, está prevista a performance “Inverted Landscapes”, de André e. Teodósio/Teatro Praga, que tem como ponto de partida uma ligação entre Lisboa e Berlim.

Inverted Landscapes examina a história de duas figuras das artes performativas portuguesas que trocaram de geografia em busca de um objetivo artístico comum: Ruth Aswin, alemã, que vem dançar para Portugal nos anos 30 do século XX, e Valentim de Barros, que tinha sido seu aluno e foge para Berlim em busca de trabalho e liberdade. Inverted Landscapes é assim uma homenagem ao desenraizamento comum a estes dois históricos artistas de dois países diferentes, bem como uma análise de duas formas de viver que têm mais que ver com a História do que com a geografia.

“Inverted Landscapes”, de André e. Teodósio / Teatro Praga. Berlim, 2020. Fotografia: Daniel Rodriguez

Prevista está ainda a performance “K Club – Reconstructing the Club”, de Ari Benjamin Meyers com Violet, e Dj Tennis, descrita como uma “situação musical encenada para um visitante de cada vez”, com um sinal de néon a marcar a entrada de uma discoteca, e os visitantes só entram segundo um número que recebem, aleatoriamente.

Oficina de tipografia para família

Para crianças e famílias está prevista uma oficina de tipografia, com a Associação Oficina do Cego, que ensina como construir um carro movido a energia solar e conduzi-lo, visitas temáticas, como aquela que explica a arquitetura do museu, e outra sobre a história da Central Tejo e do seu papel na iluminação de Lisboa.

Confira todo o programa AQUI.

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT)

Inaugurado em outubro de 2016 pela Fundação EDP, o MAAT está situado na frente ribeirinha da zona histórica de Belém, em Lisboa, e abrange uma área de 38.000 metros quadrados onde se juntam a Central Tejo – central termoelétrica construída em 1908 e reconvertida a museu – e um novo edifício desenhado pelo estúdio britânico de arquitetura AL_A – Amanda Levete Architects.

Ambos os edifícios acolhem exposições e eventos programados pelo museu e estão ligados por um jardim projetado pelo arquiteto paisagista libanês Vladimir Djurovic.