QUATRO DÉCADAS DE ARTE

Ivan Pinheiro Machado

O Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli, Centro Histórico, Porto Alegre, RS, exibe a exposição “Ivan Pinheiro Machado: Retrospectiva”, na Pinacoteca do MARGS. A mostra traz cerca de 90 obras que representam um passeio em quatro décadas de produção artística, desde os anos 1970 até os dias de hoje. São trabalhos que tratam, em sua maioria, da temática urbana. Obras extremamente realistas, que procuram captar aspectos inusitados do cotidiano das grandes cidades. O crítico Jacob Klintowitz assim definiu a pintura de Ivan Pinheiro Machado: “…o que no primeiro momento lembra a fotografia documental de uma cena urbana tem a capacidade de nos capturar para uma nova intuição, o peso subjetivo, o olhar do artista e a poética desta construção inteiramente ficcional.”

Desde uma mesa de bar, até um sinal de trânsito, a arte de Ivan Pinheiro Machado transita em torno do cotidiano, transformando em arte a banalidade das ruas, da cidade grande com ruas semidesertas, onde a figura humana é uma “presença ausente” conforme definição do crítico Paulo Perdigão. Nas pinturas selecionadas para esta retrospectiva destaca-se a técnica apurada e o empenho constante na busca para aproximar o desenho à fotografia, em um diálogo constante com a realidade. Assim, sua série sobre automóveis em um desmanche, sobressai-se, podendo até causar certo desconforto pela força do excesso e da descartabilidade da sociedade de consumo.

Ivan Pinheiro Machado

Sobre o artista

Natural de Porto Alegre, Ivan Pinheiro Machado formou-se em Arquitetura na década de 1970, posteriormente trabalhou como jornalista e fotógrafo em diversos veículos de comunicação no país. Atualmente é editor da L&PM Editores e teve rápida passagem pelo Instituo de Artes da UFRGS. Em 1977 começou sua carreira profissional como pintor ao receber o primeiro prêmio no Salão do Jovem Artista no MASP em São Paulo. Fez dezenas de exposições individuais e coletivas no Brasil e no Exterior.

A palavra da crítica

“Nova York. O Ivan, como o Paulo Francis, se apaixonou pela cidade.(…) Cada pincelada sua é parte dessa confissão. A confissão do sentimento de amor e solidão que essa gigantesca Babel causa nas pessoas. É essa cidade vazia, para todo o sempre vazia – na linha dramática que Edward Hopper foi, até hoje, quem levou mais alto e/ou mais fundo – que Ivan nos apresenta. Olha, Vermeer, o rapaz é muito bom, no conteúdo e na forma. Um dia ainda vão falsificar ele, você vai ver.” (Millôr Fernandes, Carta ao Passado, revista Isto é, 1996).

Ivan Pinheiro Machado

“Se o contemplador não apreciar tais metamorfoses de fotografias, sugiro-lhe que fale em Hiper-realismo, ou em outros ismos, mas desista de compreender a sutileza da produção pictórica de Ivan. Em resumo: quando Ivan Pinheiro Machado apanha o pincel, ele desinteressa-se de tudo, menos de poesia.” (Armindo Trevisan, 2011).

“Ivan Pinheiro Machado demonstra um domínio técnico singular, com um grafismo muito próprio, uma verdadeira Identidade. São pedaços do cotidiano que geralmente não são pintados e que o Ivan descobriu e deu vida, transportando para telas.. É uma pintura que apaixona pela beleza, pela limpeza e pelo contexto importante de simplicidade.” (Walmir Ayala, Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1992).

“Hiperrealista de sete costados, as pinturas de Pinheiro Machado teriam feito Salvador Dali vibrar de prazer. Para Dali, o grande lance da arte contemporânea era o Hiperrealismo.” (Carlos von Shmidt, O Estado de São Paulo, 1991).

Ivan Pinheiro Machado

“É tão forte o verismo das cenas urbanas de Ivan Pinheiro Machado que podemos não sentir que se trata de ficção. A sua pintura tem a particularidade de uma delicada luz que a percorre e é quase despercebida. É deste diálogo entre o desenho e o diáfano que ela é feita (…) Ivan Pinheiro Machado é dotado deste subterrâneo poder do pintor.(…) As imagens parecem que são iguais às coisas, entretanto elas são idênticas ao olhar do artista. (Jacob Klintowitz, apresentação da exposição “O mundo como ele não é”, Espaço Cultural Citi, São Paulo, 2014).

De 17 de maio a 19 de junho.

avatar_renato_rosaColuna – Renato Rosa
Renato Rosa, brasileiro, São Gabriel, RS, Brasil, 1946. Marchand, pesquisador, editor do jornal cultural O PARALELO do site www.bolsadearte.com/oparalelo, co-autor do “Dicionário de Artes Plásticas no Rio Grande do Sul”, (2ª edição, 2000, esgotada) Editora da Universidade/UFRGS.

Deixe uma resposta