O FLUIR DAS CORES NO ABSTRATO DE MARCIA PRATA

A arte abstrata possui uma complexidade em sua construção uma vez que a técnica utilizada é um dos elementos que influenciam e agregam valor ao resultado final apresentado pelo artista. Quando no pós-guerra a América tornava-se referência, o dripping (gotejamento) de Jackson Pollock, convergia as artes plásticas a partir do Expressionismo Abstrato. Uma gota ou respingo de tinta escorria sobre a tela formando traços e volumes sinuosos e harmoniosos, criando imagens abstratas carregadas de sensações. Lembrar do Pollock ao ver outros trabalhos que seguiram esta técnica do dripping, desenvolvida inicialmente pelo artista de origem alemã Max Ernst, é algo natural por razão importância e relevância do pintor americano para as artes. Variação do dripping vem produzindo desde então, diferentes e belos trabalhos artísticos e inspirando artista ao redor do globo. Este é o caso da artista plástica brasileira, radicada na Alemanha a 20 anos, Marcia Prata. A artista desenvolveu sua própria maneira de produzir seus emotivos, belos e coloridos quadros. Um exemplo do potencial da arte abstrata como peça decorativa ou investimento.

Artista desde sempre, Marcia Prata nasceu em Salvador, no estado da Bahia, Brasil, e iniciou suas incursões no mundo da pintura por curiosidade e hobby. Com a prática e os estudos a artista desenvolveu seu estilo e processo de trabalho, criando obras abstratas que vem sendo expostas em galerias na Europa, Brasil e Estados unidos, recebendo boa resposta da crítica e do público. Autodidata, Márcia Prata nos oferece em sua obra cores vibrantes, sinuosas, volumosas ondas de tinta, que dançam e compõem com harmonia sobre a superfície do quadro fantásticas imagens abstratas. Construídas por camadas, através do caminho natural que a tinta percorre ao ser derramada sobre a tela, ou através das intervenções que a artista produz com as mãos, cria-se um fluxo de emoções, gerando pinturas que sensibilizam e cativam o espectador.

O público alemão, brasileiro, americano, italiano, norueguês, francês e recentemente o português, tiveram o prazer de ver ao vivo as belas obras abstratas de Márcia Prata. Artista integrou a mostra, Arte Sem Fronteiras, promovida pela curadora e produtora, Angela Oliveira, que ocorreu na R.Rodyner Gallery, no palacete Casa da Guia em Cascais entre os meses de junho e julho. Com sua “Fluid Painting”, Marcia Prata encantou os visitantes da exposição, e despertou o interesse do público e de especialistas. Seu destaque é o resultado de sua entrega como artista e seu empenho em desenvolver sua técnica e continuar a expressar-se através das cores. É na natureza que a artista encontra as cores fortes e alegres com as quais pinta suas obras e emociona o espectador.

Com um trabalho consistente, a artista vem desenvolvendo nestes últimos anos um processo frequente de produção, aprimorando seus processos de trabalho e suas obras. Marcia Prata acredita que as pessoas precisam colocar cores em sua vida. “Cor é luz e energia” ressalta a artista. Admiradora de Van Gogh, Gustav Klimt, Salvador Dali e do argentino naturalizado brasileiro Carybé, Marcia Prata foi encontrar em Pollack uma referência quase que ancestral, visceral que formaliza a arte abstrata através de uma expressão de cores e sentimentos que ultrapassa tendências e tornando-se sempre vanguarda. Para saber mais sobre Marcia Prata e seu trabalho, acesse o facebook da artista e fique ligado em sua agenda de exposições.

One Reply to “O FLUIR DAS CORES NO ABSTRATO DE MARCIA PRATA”

  1. Muito lindos esses quadros! Amei

Deixe uma resposta