46 filmes portugueses e 62 países representados no 19º Doclisboa

São ao todo 249 filmes e 51 estreias mundiais na edição deste ano do Doclisboa que arranca em 21 de outubro.

Está anunciada a programação da 19ª edição do Doclisboa, que decorre entre 21 e 31 de Outubro, nas salas habituais do festival – Culturgest, Cinema São Jorge, Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e Cinema Ideal, às que se juntam ainda o Cinema City Campo Pequeno, Museu do Oriente e Museu do Aljube.

Doclisboa regressa ao formato original de onze dias e volta a promover o encontro e diálogo entre as múltiplas vozes que atravessam o festival e apresenta uma programação composta por 249 filmes, com 51 estreias mundiais e 28 estreias internacionais, repartidos pelas secções competitivas e não-competitivas: Competição Internacional, Competição Nacional, Riscos, Da Terra à Lua, Heart Beat, Retrospectiva Ulrike Ottinger, Retrospectiva Cecilia Mangini, Cinema de Urgência, Verdes Anos e Doc Alliance.

Competição Internacional conta com 13 filmes de 14 territórios distintos. Filmes com um olhar singular sobre o mundo e sobre o cinema, com uma diversidade formal e estética que questionam o mundo nas suas diversas faces. Uma selecção com muitas estreias mundiais que traz ao festival as mais recentes obras de Elisabeth Perceval e Nicolas Klotz, Thiago B. Mendonça, Sebastian Mihăilescu, Mengqi Zhang, Aline Lata e Helena Wolfenson, Vadim Kostrov, Roberto Santaguida, Clément Abbey, Arantza Santesteban, Aïssata Ouarma, Eva Neymann, Baya Medhaffar, Thunska Pansittivorakul e Phassarawin Kulsomboon.

Dos 46 filmes portugueses presentes na edição deste ano, 11 compõem a Competição Nacional e 7 são estreias mundiais. Anna Artemyeva, Catarina Botelho, João Lameira, Salomé Lamas, Melanie Pereira, Leonardo Mouramateus, José Oliveira e Marta Ramos, Pedro Figueiredo Neto e Ricardo Falcão, Tiago Afonso, José Vieira e Silas Tiny apresentam nos filmes portugueses propostas que revelam os diversos modos de pensar e agir sobre o que nos rodeia, numa diversidade de espaços e tempos em que as narrativas se constroem.

O Tempo das Coisas, de Catarina Botelho (Divulgação)

O Doclisboa anuncia ainda a programação da secção Riscos: uma secção em que se exploram as várias linguagens do cinema e questionam os vários tempos, territórios e fronteiras. Este ano homenageia o cineasta colombiano Luis Ospina, a quem o festival dedicou uma retrospectiva em 2018, com um programa que inclui “The Eye of the Tourist”, obra póstuma e recém terminada de Ospina, assim como dois filmes que contaram com a sua colaboração ou inspiração.

Os realizadores convidados desta secção são Michael Pilz (que dedica o seu mais recente “With Love #3” a Khosrow Sinai) e Edgar Pêra (que invoca a espectralidade e a natureza imersiva no cinema através das imagens 3D do seu último filme e programando Jackass 3D).

Para além dos programas temáticos, o festival apresenta ainda Mulheres Egípcias no Cinema: Perspectivas de 1970 até hoje, com a curadoria da investigadora Mathilde Rouxel que, a partir do trabalho de 3 cineastas egípcias, reflecte sobre o povo egípcio e as formas de luta no passado e no presente.

No âmbito do projecto FILMar, operacionalizado pela Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e integrado no Mecanismo Financeiro de Apoio EEA Grants, será exibida a cópia restaurada de Nazaré, Praia de Pescadores, de José Leitão de Barros. A sessão será acompanhada ao piano pelo compositor Filipe Raposo, que apresentará, em estreia mundial, a partitura de sua autoria, composta para o filme.

A 19ª edição conta com a presença de realizadores de todas as secções do festival, incluindo Ulrike Ottinger – que acompanhará a sua retrospectiva, Avi Mograbi, Vitaly Mansky, Helke Misselwitz, Nicolas Klotz, Elisabeth Perceval, Marta Popivoda, Sergio Silva, Boris Lehman, entre muitos outros, que estarão em Lisboa para apresentar os seus filmes.

O formato híbrido do Nebulae: o espaço de networking do Doclisboa é outro dos grandes momentos do festival. Os profissionais da indústria cinematográfica são convidados a juntar-se novamente em Lisboa (de 21 a 25 de Outubro) para participarem nas actividades presenciais. As actividades online estendem-se até 31 de Outubro, a partir da plataforma digital do Nebulae. 

Para o regresso às secções competitivas, o festival convoca os patrocinadores de prémios de longa data como a SPA, a Mcfly,  a Midas,  a Etic, os Canais TVCine, o Público,  o Inatel, a RTP, o Doc’s Kingdom, e apresenta novos, como a Canon, a HBO Portugal, a EU-OSHA (Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho) a Volvo, a Irmã Lúcia e a Academia de Arte Dramática de Zagreb.

A programação do festival e de todos filmes portugueses que participam já está disponível em doclisboa.org e as bilheteiras físicas e online estão oficialmente abertas.