Amazônia é tema de evento com exposição, música e livro em Lisboa

As pressões mercadológicas que criam demandas por gado, soja e madeira são apontadas como um dos principais fatores que dificultam uma mudança e uma evolução para a preservação ambiental da Amazônia. Essas demandas trazem prejuízos a todo o planeta pois as florestas atuam como áreas de armazenamento natural de carbono e absorvem ao longo do tempo, dióxido de carbono da atmosfera, um dos principais gases do efeito estufa que impulsiona as mudanças climáticas.

Para além disso, as queimadas na saúde pública é intensificado para povos indígenas na Amazônia e a destruição afeta sua saúde e também sua subsistência. O desmatamento e as queimadas subsequentes frequentemente ocorrem nos territórios indígenas ou em seu entorno, às vezes destroem plantações e afetam o acesso a alimentos, plantas medicinais e caça.

É para alertar essas preocupações que o artista Jairo Mozart criou o Projecto Amazônia Ameaçada, que inaugura neste domingo (14) de novembro, no Espelho d’água. A inauguração inicia-se pelas 18 horas com exposição de desenhos e pinturas, música e lançamento de livro sobre a Amazônia, escrito pelo artista – militante pela preservação ambiental e dos povos indígenas nos anos 1970. “Vivenciei a ação de colonos, grileiros, peleiros, garimpeiros, madeireiros e criadores de gado na região da Baixa Amazônia, em uma época em que a floresta ainda estava intacta”, conta.

As obras exibidas na exposição são desenhos e pinturas produzidos em diferentes momentos da vida do artista Jairo Mozart, entre 1972 e 2021, com o objetivo, assim como sua produção musical e literária, de defender a vida e a tradição cultural brasileira e indígena. “Minha identidade indígena levou-me a uma imersão na militância nacional e internacional pelos direitos dos povos originários e pela preservação da vida e dos conhecimentos ancestrais. A meu ver, esta é a ligação entre tudo o que faço”, explica.

Jairo Mozart, que já teve textos e desenhos incinerados durante o governo ditatorial, conseguiu produzir nova tiragem graças à ajuda de um grupo de artistas e a lançar nos principais estados do Brasil. Esse incrível material será apresentado ao público, que acompanhará em melodia musical com o artista, acompanhado dos músicos Urbano Oliveira, Luis Pereira e Jonas Cruz.

Jairo Mozart (Divulgação)

É a primeira vez que faz uma exposição solo em Portugal. Pinturas, desenhos e gravuras aparecem em 28 obras e uma instalação, que dialogam com suas recordações pessoais. “Minha motivação ao produzir as obras apresentadas na exposição Amazônia Ameaçada é participar de um grito coletivo pela defesa da vida da e na floresta, diante da grave ameaça que sofre pela exploração capitalista desse território, fundamental para os que lá vivem e para o equilíbrio da vida no planeta”, comenta o artista, que usa técnicas como bico de pena com tinta chinesa, bico de pena e aquarela e óleo sobre tela.

Das obras, destacam-se A Lenda da Estrela (bico de pena e aquarela, 43x39cm, 1991), Mãe Nativa (óleo sobre tela, 64x49cm, 2009), Bugio na Intimidade da Floresta (bico de pena, 33x43cm, 2018) e Onça Pintada (bico de pena, 32x43cm, 2020).

Para além da música e do lançamento do livro na inauguração, durante o período de exposição Amazônia Ameaçada, haverá eventos como Círculo de Cura, lançamento do filme documentário sobre a vida de Jairo Mozart, oficina de literatura de cordel e, no fim, o show de encerramento com o artista.

AMAZÔNIA AMEAÇADA

Local: Espaço Espelho D´Água

Endereço: Av. Brasília, Edifício Espelho D Água (ao lado do Padrão dos Descobrimentos)

Período: 14 de novembro de 2021 a 09 de janeiro de 2022, das 11h às 20h.