HERÓIS POR DANIEL MATTAR

O fotógrafo Daniel Mattar, com mais de 20 anos de trajetória no universo da moda, volta a experimentar linguagens para universos que vão além de campanhas e editoriais. Assim como fez na individual “Simulacro”, onde abordou a realidade do consumo solitário no Japão, agora exibe em “Heróis Nacionais” uma seleção de 18 imagens, nove delas inéditas, que trazem atletas como modelos.A mostra tem curadoria de Lauro Wöllner e fica em cartaz no Shopping Leblon, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, como continuidade de um projeto lançado em 2010 no formato de calendário, com beleza de Vini Kilesse e produção de Bebel Moraes.

Segundo Mattar, o desafio foi descobrir qual aspecto explorar no caso de cada personagem, com possibilidades que surgiam apenas no momento do ensaio, com jogos de luz e muita observação a partir dos movimentos congelados frente ao fundo negro. “Ao contrário de uma campanha de moda, no qual já chegamos com uma imagem pré-estabelecida, em “Heróis Nacionais” nos surpreendíamos a partir do relacionamento com os atletas e seus equipamentos. Um exemplo é a foto do Bernardo Oliveira, que chama atenção pela interação do jovem atleta com a complexidade do arco. Já com a Juliana Veloso e com a Ingrid Santos, dos saltos, exploramos a altura com o auxílio de uma cama elástica”, conta.

No conceito do trabalho está ainda uma busca por uma estética mais limpa e sensível para as variadas atividades, sem vícios ou coloridas interferências, e com o olhar de surpresa de alguém que nunca teve nenhum contato mais profundo com velas, remos ou trampolins. “Tenho o maior orgulho deste material, porque começamos em 2009 para a produção do calendário e desde aquela época venho pensando em novas leituras para diversas modalidades. Enquanto na primeira etapa fotografei Martine Grael e Isabel Swan enroladas numa vela, o símbolo do esporte aparece este ano quase como uma bandeira nas mãos do Henrique Haddad. Por outro lado, no caso das meninas do nado, uso praticamente a mesma técnica e foco na plasticidade de cada movimento e sua reação na água”, completa.

“Heróis Nacionais” explora ainda o potencial da luz na criação de rastros de movimento, como na foto em que a bicampeã olímpica Fabiana Alvim de Oliveira, medalhista em Londres e Pequim no voleibol, dá o popular “peixinho” evitando o contato da bola com o chão. Efeito semelhante pode ser visto no clique do ciclista Kacio Freitas, no contraste com tronco e cabeça inertes.

De acordo com Lauro Wöllner, que selecionou os atletas junto ao Comitê Olímpico Brasileiro, “…pessoas que dedicam oito, dez anos de vida em um único foco e objetivo são verdadeiros heróis”. Aficionado do esporte e competidor de vela e triatlo, afirma que toda sua vida foi pautada pelos esportes. “Essa influência me trouxe competitividade para o mundo dos negócios, mas também humildade, disciplina e companheirismo”, pondera. A ideia do empresário é seguir fotografando atletas em parceria com Daniel Mattar. “Nosso grande desejo é encorpar esse trabalho com novas fotos e outros esportistas e concretizar o ciclo com um livro”, conta.

Atletas fotografados: Em 2016, Bernardo Oliveira (Tiro com Arco); Fabiana Alvim de Oliveira (Voleibol); Henrique Haddad (Vela); Ingrid Santos (Saltos ornamentais); Juliana Veloso (Saltos ornamentais); Kacio Freitas (Ciclismo); Lara Puglia (Nado sincronizado); Marinalva Almeida (Vela adaptada) e Pedro Drummond (Remo). Em 2010, Cezar Castro (Saltos ornamentais); Clarisse Menezes (Esgrima); Fabiana Beltrame (Remo); Giovana Nunes (Nado sincronizado); Martine Grael e Isabel Swan (Vela); Nivalter Santos (Canoagem); Patrícia Freitas (Vela); Raquel e Rafaela Lopes (Judô) e Virgilio de Castilho (Triatlon).

De 12 a 24 de julho.

 

avatar_renato_rosa
Coluna – Renato Rosa
Renato Rosa, brasileiro, São Gabriel, RS, Brasil, 1946. Marchand, pesquisador, editor do jornal cultural O PARALELO do site www.bolsadearte.com/oparalelo, co-autor do “Dicionário de Artes Plásticas no Rio Grande do Sul”, (2ª edição, 2000, esgotada) Editora da Universidade/UFRGS.

Deixe uma resposta