Obelisco do Templo no Parque dos Poetas é inaugurado

O Obelisco do Templo mede 25 metros de altura, foi inaugurado no dia 25 de abril, no Parque dos Poetas que possui 25 hectares de espaço.

No último domingo (25) de abril, Dia da Liberdade, Oeiras celebrou com a inauguração do Obelisco do Templo, pelo Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Dr. Isaltino Morais.

Da autoria do arquitecto e artista Júlio Quaresma, autor do projeto da Catedral da Muxima, a obra possui mais de 25 metros de altura, num espaço de memória, de cultura, de sabedoria mas também de lazer e felicidade, naquele que, com 25 hectares, é o maior parque escultórico do mundo dedicado à poesia o Parque dos Poetas, em Oeiras.

Foto: Júlio Quaresma (Divulgação)

A sua inauguração numa data tão carismática, a da construção da liberdade e surge no momento, em que Oeiras se Candidata a Capital Europeia da Cultura em 2027 e é uma elegia da democracia, da inclusão e integração, da cultura e de Oeiras. Município que sob a batuta do Dr. Isaltino, se transformou no que hoje, é considerado o melhor Conselho de Portugal, para se viver.

Assim sendo, o obelisco, sempre foi pensado como o culminar do processo do Parque dos Poetas, que nascido do sonho, nunca se dissociou do amor à cultura e se vem realizando ao longo do tempo, e foi erigido, também em homenagem a todos os que contribuíram para a existência deste parque, sobretudo os Poetas, os Escultores, os Mecenas, os construtores e fabricantes, mas não só, pois é um elemento comemorativo da democracia, da inclusão e integração, da cultura e de Oeiras.

parque dos poetas obelisco
Foto: Júlio Quaresma e Isaltino Morais (Abel Dias)
Foto: Renato Rodyner e Júlio Quaresma (Abel Dias)

Estão representadas todas as colorações formais e estéticas mas também todas as identidades que se expressaram através da língua portuguesa, desde a fundação da nacionalidade portuguesa até ao séc. XXI, não esquecendo as matizes trazidas de todos os cantos da lusofonia.

O Parque em si é o Templo de memória da escrita enformada pela ação de escultores contemporâneos numa mistura de expressões plásticas e identidades diversas num registo de democratização da cultura, mas também da diversidade e da tolerância.

Um templo, uma pirâmide e um obelisco, que tal como no período pré-dinástico no Egipto expõem na sua triangulação, o culto solar. O Obelisco é uma peça escultórica, cuja génese remonta às manifestações megalíticas, aos menires e surge aqui como a grande pedra sagrada, composta materialmente pelo corpo e o piramido que simboliza o “raio de sol” ou agulha que perfura as nuvens e faz dispersar as forças negativas e ser polo de atracão da energia celeste fazendo a ligação desta à Terra.

Para os maçons, depois de 1717, e Segundo Albert Pike “passou a ser símbolo da Fraternidade Interna Invisível ou Espiritual” Por toda esta narrativa, o Obelisco do Templo, no Parque dos Poetas em Oeiras, está indelevelmente ligado ao simbolismo que envolve Oeiras, os seus habitantes e a sua História.

Foto: Inauguração do Obelisco (Rodyner)

Simbolismo do Obelisco do Templo

A base Quadrada, símbolo, dos quatro elementos fundamentais que formam o mundo material mas também da solidez, da eternidade, da sabedoria e da verdade e perfeição. Mede 1759 mm que corresponde ao ano de 1759, quando a 13 de julho, o
Concelho de Oeiras foi constituído por Carta Régia.

A altura é de 1759 cm, ou seja 10 vezes a dimensão da sua base. Sendo o número 10, segundo a Cabala, é a primeira dimensão da Árvore da Vida. Já a altura do piramido é igual à medida da base, ou seja, 1759 mm. O granito vermelho justifica-se porque é a pedra mais dura que os humanos utilizam na construção. Simboliza a força, a resiliência, a resistência e a durabilidade enquanto o vermelho é a cor da paixão e da energia, mas também a chama que mantém vivo o desejo e a vontade.

Na base, os 5 degraus correspondem às 5 freguesias atuais do Concelho. Nesses degraus, o Espelho tem 144,8 mm de altura, ou seja, o ano em que através da carta de privilégio foi concedido aos lavradores o estatuto de reguengo e o Cobertor dos
mesmos 19,37 cm, a data em que foi fixado o terceiro e último Brasão de Oeiras.

As 2 coroas da base simbolizam, os dois períodos em que o concelho existiu e altura entre elas é 67 cm. Número obtido pelo método hermenêutico de análise das palavras, que atribuí um valor numérico a cada letra, também conhecido como numerologia judaica e que corresponde a palavra gematria de Oeiras.

O Piramido simboliza o raio de sol, é dourado em clara representação do Sol e encimado por uma luz verde, imagem clássica de um filme de Eric RoHmer, que venceu em Veneza. Este raio verde, é o momento único em que a luz do sol adquire essa
tonalidade quando, no ocaso o Sol rasa o horizonte terrestre e a luz se transforma num raio verde que é também o fio/linha/caminho que liga o céu à terra e a petrificação do raio solar. As linhas de luz laterais são o caminho para a sabedoria.

Estes são apenas alguns elementos simbólicos que se escondem neste obelisco mas há muitos outros para descobrir, o que pode permitir leituras tão diversas, quanto estimulantes e divertidas.