Esperar é enfraquecer, dedicado a Pipilotti Rist

Esperar é enfraquecer, dedicado a Pipilotti Rist

Uma mulher avança pela cidade e parte vidros. As ruínas recentes são prova da vitalidade do mundo, não da decadência. Os vidros partidos impõem compromissos à cidade, não são um monólogo material. O perigo que eles representam quando espalhados pelo passeio faz com que os humanos actuem.

O perigo é, pois, o momento em que os dedos dos pés se mexem com mais clareza: uma certa exactidão surge apenas na pressa, na urgência. Quando existe muito tempo para fazer, o corpo pode ser lento, isto é: pode guardar um intervalo entre a causa que a realidade lhe coloca à frente e as acções que lhe são exigidas. O intervalo, qualquer que ele seja, é uma espécie de diluição da força. Só a reacção imediata transporta a intensidade máxima de um organismo. Esperar é enfraquecer.

Gonçalo M. Tavares

 

 

 

GONÇALO M. TAVARES escreve sobre PIPILOTTI RIST em Dicionário de Artistas > textos sobre artistas contemporâneos nas plataformas digitais do CCB. À quarta-feira, o CCB disponibiliza um texto inédito de Gonçalo M. Tavares sobre artistas contemporâneos, com leitura de Ana Zanatti. Para ler em www.ccb.pt e ouvir no spotify do CCB