Adeus a Claes Oldenburg

A Pop Art termina o mês de julho de 2022 despedindo-se de um de seus mestres. Claes Oldenburg morreu no último dia 18 de julho de 2022 aos 93 anos. Seus tributos enormes e monumentais à pura “coisidade das coisas comuns”, podem ser encontrados em muitas cidades americanas. Esculturas como o prendedor de roupa gigante na Filadélfia, petecas em Kansas City, elefante gigante em Margate, um pato em Long Island e um picles gigante, que já esteve na Quinta Avenida e na Broadway, são exemplos destacáveis de sua arte das coisas comuns.

Obra de Claes Oldenburg – Imagem: Revista NewYorker

Além das suas impactantes esculturas, Oldenburg teve seu momento de vanguarda. Um dos três santos da primeira ascensão do popismo nos Estados Unidos, ao lado de Andy Warhol e Roy Lichtenstein, ele era, de certa forma, o homem excêntrico entre eles. Duchampiano convicto “É arte porque eu digo que é!” as proposições do trabalho de Oldenburg era um artista de um tipo mais “tradicional”, ótimo desenhista, com um toque de mão livre e rabiscos rápidos que encantava com sua liquidez. Oldenburg foi fortemente influenciado pelo artista francês Jean Dubuffet, que trouxe a chamada arte Outsider para galerias e museus, perturbando o status quo da arte institucional. Mas, como muitos artistas pop, Oldenburg também se inspirou e seguiu os preceitos de Marcel Duchamp. As esculturas de Oldenburg, no entanto, foram feitas à mão em vez de compradas em lojas, e ele queria que elas fossem, como ele disse, “tão misteriosas quanto a natureza”.

Obras Claes Oldenburg

Dizemos adeus a Claes Oldenburg colocando-o no panteão dos grandes artistas da Pop Arte e da história da arte.