DUVAL: vitalidade artística & um enigma para o tempo

planeta duval washta

De imediato, vamos colocar assim: a vitalidade e a destreza do artista plástico Fernando Duval, aos 83 anos, é notável! E porquê? Explique-se. Recentemente o artista retomou uma série de antigos desenhos de minúsculas dimensões, algo em torno de 08x06cm, praticamente pequenos “selos”. Com a firmeza absoluta das mãos e sem o mínimo traço indeciso, recriou-os tal qual em sua versão de antanho e em dimensão projetada igualmente em todos os trabalhos atendendo a medida de 0,30×0,20cm, guardando fidelidade total aos temas, cores e posturas de seus personagens. Sim, personagens, porque Duval criou nos anos 1960 o “Wasthavastahunn“, seu universo imaginário.

Para ele o “Wastha”  é uma sociedade com características semelhantes, mas, às vezes com costumes estranhos que nos alertam”.

fernando duval
Mundo wasthiano: Os Wasthianos, seres densos, aleatórios, inconsequentes e joviais.

Nessa época Duval frequentava as primeiras aulas do MAM – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – sendo aluno do pintor Ivan Serpa e por esse motivo deu um passo decisivo em sua vida: abandonou no último ano a Faculdade de Direito e pediu demissão de um cargo público federal. Optou por abraçar a incerta vida de artista e suas reais vicissitudes. Ato pessoal em si de muita firmeza e coragem para um jovem artista que vivia em um país convulso como o Brasil da pré-Ditadura militar e ainda viver os anos de chumbo que seguiram.

Ao longo de sua consagrada trajetória Duval colheu aplausos e reconhecimento em diversos espaços culturais em suas andanças pelo mundo que corresponde às duas décadas iniciais do século passado quando, como um verdadeiro globe trotter, exibiu-se em Roma, Lima, Nova Iorque, Paris, Buenos Aires, Lisboa, Madrid dentre outras capitais mundiais. Em 2017, Fernando Duval figurou entre os destaques da Bienal do Mercosul realizada em Porto Alegre e nesse período lançou seu primeiro livro em torno de um de seus personagens “Bivar” e em 2019 foi a vez de “Wasthavastahunn“, em forma de dicionário onde personagens, mapas, cidades, fauna, flora tornaram-se verbetes; ofertando desse modo a chave para o conhecimento desse universo.

duval
Camelos Biteticos fazem parte dos mamíferos wasthianos.
duval
Reza Phenomeha fazem parte das plantas wasthianas.

Por ser um artista invulgar, original e enigmático, creio que sua obra levará muito tempo para ser desvendada, imagino-a como uma espécie de carta ao futuro. E tomo como ponto de apoio a conclusiva e própria fala de Duval:

“Logo vi que ao afirmar ou negar ao mesmo tempo pode não garantir a verdade. Isso serviu de base para criar o Wastha.”

Está dito.